7 motivos para não usar manta asfáltica

Post atualizado em 05 de maio de 2017.

As infiltrações são uma das principais causas para dor de cabeça nas edificações. As consequências de uma impermeabilização mal-feita quase sempre dão sinais quando os danos já estão em fase avançada. São as manchas, bolor, pintura descascando, além dos efeitos nocivos às estruturas, como a exposição e corrosão de armaduras. E quando se chega a esse ponto, é inevitável a necessidade de obras de reforma para refazer o sistema, gerando todo o incômodo de uma obra em uma edificação que já está sendo utilizada.

 

Sobre a manta asfáltica

É um dos métodos mais utilizados no mercado para sistemas de impermeabilização.

A manta é feita com material asfáltico modificado, armado com materiais diversos, sendo os mais comuns o filme polietileno, borracha, poliéster, e fibras de vidro.

O sistema com a manta asfáltica é feito durante a fase de construção, e normalmente tem uma garantia de em média 5 anos.

Mas será mesmo que o sistema de impermeabilização feito com a manta asfáltica, apesar de ser um dos mais conhecidos e populares no mercado, é o mais indicado para todas as ocasiões? Nesse post vamos listar alguns motivos para repensar um pouco o uso da manta asfáltica!

 

manta asfaltica

 

1. Durabilidade

Um dos pontos mais importantes a serem levados em consideração na hora de escolher o sistema de impermeabilização é a sua durabilidade.

Como é um sistema que será recoberto, e não será exposto (a grande maioria das mantas asfálticas disponíveis no mercado não suportam tráfego e exposição direta – somente algumas suportam tráfego leve/manutenção), é preciso escolher um sistema que consiga se manter pelo maior tempo possível, para facilitar a manutenção e também evitar a necessidade precoce de uma reforma.

Os sistemas de impermeabilização feitos com manta asfáltica tem a sua durabilidade variável, de acordo com a espessura com a qual ela é feita, mas nossa experiência de mais de 30 anos no mercado reflete uma durabilidade cada vez menor deste sistema, em alguns casos não passando de 5 anos.

Com este cenário, a edificação poderá sofrer com problemas de infiltração logo na primeira década, e este é um período que os moradores ou usuários não estão pensando em reformas e obras novamente. Além disso, os problemas não estruturais já começam a aparecer, dando ao edifício uma aparência de velho e mal cuidado.

 

2. Juntas – Pontos críticos

O sistema de manta asfáltica é pré-moldado. O material se apresenta normalmente em rolos, e isso significa que não se consegue que a manta seja aplicada no local de maneira homogênea.

Os pontos de encontro do material são denominados juntas.

Como todos sabem, juntas são pontos críticos em qualquer parte da edificação, pois é maior a probabilidade de ocorrerem falhas e são os pontos mais sujeitos à movimentação da estrutura. Isso significa que os sistemas de impermeabilização feitos com a manta asfáltica têm mais chances de falhar e assim, não serem capazes de conter a infiltração.

 

3. Acabamento

A manta asfáltica, no geral, não é capaz de suportar tráfego e pisoteamento (ainda que alguns poucos produtos suportem tráfego leve). Isso significa que é necessário algum tipo de acabamento sobre a área impermeabilizada.

Em áreas internas, ou piscinas, por exemplo, isso não é necessariamente um problema, pois já é previsto algum tipo de revestimento e isso não representa necessariamente um custo a mais.

Mas, quando pensamos em locais abertos, como lajes, ou estacionamentos, o custo de um revestimento acaba sendo alto. Esse custo pode ser evitado quando o próprio sistema de impermeabilização suporta o tráfego de pessoas e veículos, além da exposição direta às intempéries.

 

… Vale a pena saber: excesso de peso

Não podemos nos esquecer também que um novo revestimento, por exemplo, um contrapiso, adiciona um peso extra à estrutura. Dessa forma, o impactos nos custos da edificação podem ficar ainda mais comprometidos, pois será necessário adequar pilares, vigas e lajes para conseguir receber os esforços adequadamente e com segurança, e isso significa aumento no volume de concreto e de armaduras.

4. Garantia

A garantia de um sistema de impermeabilização feito com manta asfáltica é geralmente de 5 anos, o que é muito baixo, pensando que o período de construção do edifício pode levar esse tempo (para prédios novos, leia aqui sobre a Garantia Obrigatória para obras de construção civil). A garantia do sistema não é longa, pois é um sistema de difícil manutenção. Existem hoje, no mercado, sistemas de impermeabilização que oferecem até 15 anos de garantia.

 

5. Não é possível fazer reparos pontuais

Justamente por estar recoberto por outros materiais e revestimentos, não é possível fazer reparos localizados no sistema de impermeabilização feito com manta asfáltica. Aliás, pela maneira como é aplicado, também é difícil localizar onde são exatamente os pontos que estão falhando, pois os sinais da infiltração podem se apresentar em locais separados.

A dificuldade de acesso, e de manutenção são pontos bastante desfavoráveis ao sistema.

manta asfaltica sendo arrancada
Manta asfáltica sendo arrancada

 

… e por não permitir reparos pontuais:

 

6. Stress e dor cabeça com reformas

Quando o sistema falha, não há outra solução que não refazer todo o sistema. E isso traduz-se em obras, barulho, quebradeira, dor de cabeça, briga entre síndico e condôminos, e principalmente: prejuízo financeiro. E se a escolha para o novo sistema de impermeabilização continuar sendo a manta asfáltica, dentro de poucos anos todo o problema provavelmente irá se repetir.

Vale considerar que, em muitos casos, a empresa que aplica a manta asfáltica não trabalha com concreto – ou seja, não faz o contrapiso, nem instala o piso. Nestes casos, pode ser necessário contratar mais empresas para refazer todo o sistema de impermeabilização e ter um novo piso no local.

 

7. Problemas decorrentes da execução

Ninguém está livre de serviços mal executados em obras, mas como a manta é um material mais grosseiro, aplicado com maçarico, esse risco aumenta. A falta de mão de obra especializada é um dos grandes problemas da construção civil no Brasil. Além disso, é gasto um tempo em média 6 vezes maior do que em outros sistemas mais modernos.

 


 

O sistema poliéster flexível da Fibersals

O sistema de poliéster flexível da Fibersals é uma solução moderna e definitiva para todos os problemas listados acima.

  • Durabilidade e garantia: o sistema de impermeabilização em poliéster flexível é uma solução definitiva para os problemas de infiltrações, com uma garantia de 15 anos.
  • Juntas e pontos críticos: como o sistema é moldado no local, a impermeabilização não apresenta juntas e, consequentemente, diminui drasticamente as chances de falhas. Para juntas estruturais, formulamos uma matéria-prima específica, capaz de suportar os esforços, e que se funde ao restante do Sistema.
  • Acabamento e peso extra: O sistema da Fibersals é leve –  sendo 3kg/m² – e isso não compromete a estrutura no caso de reformas. O sistema também suporta o tráfego de pessoas e veículos e é possível fazer o acabamento nele próprio.
  • Stress e dor de cabeça: O poliéster flexível pode ser aplicado diretamente na área, não sendo necessárias obras, reformas, e evitando assim toda a dor de cabeça. A aplicação é rápida, e o tráfego de pessoas e veículos é liberado no mesmo dia.
  • Problemas na execução: A Fibersals tem uma equipe própria de profissionais, treinada e especializada para o serviço e por isso não há problemas durante a execução.

Veja aqui um comparativo entre o Sistema de Poliéster Flexível e a Manta Asfáltica.

 

Viu só? Existem outras e melhores opções em relação à manta asfáltica. Conheça mais sobre o sistema de poliéster flexível.

Comentários

Comments are closed.