Por que a impermeabilização falha?

A impermeabilização é uma etapa essencial em qualquer construção, especialmente nas estruturas de concreto armado, protegendo os elementos contra o ataque de umidade e a infiltração de água que podem gerar tantas patologias diferentes. Quando a impermeabilização falha, essas patologias também podem surgir!

 

Para proteger as estruturas, existem técnicas e materiais diversos que podem ser aplicados para cada situação específica e que exigem determinado requisitos de desempenho e durabilidade.

Veja:

 

Contudo, o que vemos na prática é que, com o passar do tempo, os sistemas de impermeabilização começam a apresentar falhas e necessitam de intervenções para correção.

 

E então surgem as dúvidas: por que a impermeabilização falha? O que pode ser feito para evitar esse problema?

 

Como funciona a impermeabilização

por que a impermeabilização falha? como a impermeabilização funciona

 

Antes de entender a causa das falhas, é importante entender o que é e como funciona um sistema de impermeabilização.

 

A tecnologia construtiva mais amplamente empregada em todo o território nacional é a estrutura em concreto armado com as paredes de vedação em alvenaria.

O concreto é um material bastante versátil, resistente e durável, contudo ele não é, por natureza, um material 100% impermeável.

 

Apesar de garantir a estanqueidade, a água ainda pode percolar por entre os poros do concreto e causar problemas para a estrutura.

Essa infiltração é o agente causador de manchas, bolor, fungos, mofo e pode também, em casos mais severos, causar patologias como carbonatação, lixiviação, perda de seção e até corrosão das armaduras.

 

Por essa razão é necessário que sejam executados sistemas de impermeabilização para proteger os elementos de concreto, prolongando a sua vida útil e garantindo assim a segurança estrutural de toda a edificação.

A impermeabilização funciona como uma barreira evitando que haja infiltração de água no concreto, e devem ser executadas seguindo as recomendações previstas nas Normas técnicas.

 

Principais causas de falhas na impermeabilização

 

Escolha do sistema errado

Uma edificação possui diversos elementos, e cada um está exposto a um tipo diferente de ataque da umidade.

 

por que a impermeabilização falha? pressão hidrostática positiva e negativa

 

Um elemento de fundação ou um muro de arrimo, são exemplos de materiais enterrados, em contato direto com o solo, sofrendo pressões hidrostáticas negativas, mas que não estarão sujeitos ao mesmo nível de movimentação estrutural que uma laje de cobertura.

 

Como existem vários tipos de situações em obra, o mercado disponibiliza produtos e técnicas que são específicas para cada caso.

E a escolha do produto errado é uma das causas de falhas no sistema de impermeabilização.

 

Os produtos impermeabilizantes se dividem, primeiramente, entre rígidos e flexíveis.

Existe também, comercialmente, os “semi-rígidos” ou “semi-flexíveis”, e apesar de serem produtos industrializados e de qualidade, estes termos ainda não estão descritos nas normas técnicas.

 

Quando se aplica sistemas rígidos em locais de exposição ao sol, por exemplo, esta impermeabilização não será capaz de acompanhar as movimentações térmicas das estruturas e vão surgir falhas.

 

Não custa lembrar que a impermeabilização é uma etapa importante da construção e nunca deve ser tratada como uma etapa opcional, ou ainda que não é preciso o acompanhamento de um profissional.

 

Dependendo do tipo de falha, os custos para intervenções de manutenção e reparo podem ser muito maiores do que o cuidado e atenção para a execução de um sistema de impermeabilização de qualidade.

 

Materiais de má-qualidade

Os problemas decorrentes do uso de materiais de má-qualidade não são exclusividade dos sistemas de impermeabilização, e é possível ver exemplos disso cotidianamente.

Nesse sentido, a economia que é feita inicialmente ao se escolher um material inferior é completamente perdida quando é necessário investir novamente, em um curto período de tempo, nos reparos e manutenções.

 

Em termos de impermeabilização, materiais de má-qualidade diminuem a vida útil do sistema, e aumentam as chances de que sejam necessárias intervenções e reformas para reparar e refazer a proteção das estruturas.

 

Sempre é bom lembrar que a economia que pode ser feita escolhendo materiais de qualidade inferior, é facilmente perdida quando ocorre a necessidade precoce de reparos.

Além disso, custos indiretos como a parada fabril, por exemplo, devem ser levados em consideração.

 

Mão-de-obra sem especialização

Uma grande parte das falhas dos sistemas de impermeabilização, infelizmente, se dá por falhas no momento de execução, devido à falta de especialização da mão-de-obra.

 

Dentro da indústria, é possível controlar as etapas de produção, inspecionar a qualidade da matéria prima, ter sistemas modernos e automatizados de produção, estocar e transportar os produtos de maneira adequada e, ainda, fazer todos os tipos de testes de qualidade, durabilidade e solidez dos materiais.

 

E dentro desse contexto, as empresas conseguem oferecer materiais cada vez melhores e de qualidade no mercado, incorporando tecnologia, inovação e controle de qualidade.

Contudo, a indústria dos materiais não é capaz de controlar e garantir que o seu produto será executado de maneira correta.

 

O que ocorre em muitos casos em todo país é a execução dos sistemas de impermeabilização por pessoas, empresas e profissionais que não tem experiência ou ainda que não seguem as recomendações dos fabricantes e os passos descritos nas normas técnicas.

 

Dessa forma, um material que poderia ter uma vida útil de vários anos, começa a apresentar falhas precocemente.

E normalmente a reação inicial é culpar o produto pela falha, e não a forma que ele foi instalado.

 

Para evitar que um bom produto tenha sua durabilidade e garantia comprometidas, é fundamental contar com empresas e profissionais sérios e especializados, tendo sempre em mente que a manutenção e reparo de um sistema de impermeabilização pode ser oneroso e difícil de ser feito.

 

O que fazer quando a impermeabilização falha?

A infiltração pode causar sérios problemas à edificação.

Por este motivo, quando a impermeabilização falha, o problema precisa ser corrigido o quanto antes.

 

Reforma de impermeabilização tradicional

 

por que a impermeabilização falha? reforma de impermeabilização tradicional

 

No método mais tradicional, com uso de manta asfáltica, é necessário seguir uma série de passos para refazer a impermeabilização:

 

a) Demolição do piso existente;

b) Remoção da proteção mecânica existente;

c) Retirada e transporte do entulho gerado;

d) Remoção da impermeabilização antiga;

e) Reconstituição da regularização;

f) Aplicação de nova impermeabilização;

g) Colocação de camada separadora;

h) Proteção mecânica;

i) Colocação de novo piso;

j) Reconstituição do “lay out”;

k) Execução de novo paisagismo.” (MORAES, 2002, p. 36-37)

 

Para saber mais sobre como tudo isso deve ser feito, preparamos este post completo sobre reforma de impermeabilização:

 

Soluções da Fibersals

por que a impermeabilização falha? impermeabilização sem quebradeira

 

A boa notícia é que já é possível reformar a impermeabilização que falhou sem quebrar nada e sem gerar grandes quantidades de entulho!

A Fibersals é pioneira no Brasil em tecnologia de sistemas de impermeabilização sem quebradeira, com produtos e soluções ideais para proteção contra o ataque de umidade.

Além disso, a Fibersals possui uma equipe própria altamente especializada para execução dos serviços, garantindo assim a qualidade e durabilidade dos seus sistemas de impermeabilização.

 

Faça um orçamento gratuito de impermeabilização sem quebradeira








 

 

Referência: MORAES, Claudio Roberto Klein de. Impermeabilização em lajes de cobertura:levantamento dos principais fatores envolvidos na ocorrência de problemas na cidade de Porto Alegre. 2002. 123 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (PPGEC). Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2002. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/2708>.

Comentários

Comments are closed.